Os relatórios do condado de Tarrant registram 18 mortes no COVID-19; Média de 7 dias para novos casos sobe – Fort Worth

Os relatórios do condado de Tarrant registram 18 mortes no COVID-19; Média de 7 dias para novos casos sobe – Fort Worth

Um recorde de 18 pessoas morreram após a contratação do COVID-19 no condado de Tarrant, segundo o departamento de saúde do condado, que também anuncia mais 587 novas infecções na sexta-feira, juntamente com 591 hospitalizações atuais.

As 18 mortes mais recentes incluem um homem de 80 anos de Hurst, um homem de 60 anos de Grand Prairie, um homem de 70 anos de Mansfield, um homem de 30 anos de Haltom City, um homem de 70 anos de Richland Hills, uma mulher de 90 e 80 anos, ambas de Azle, um homem de 70 e um de 60 de White Settlement, um homem de 80 anos de Lake Worth, um homem de 70 anos de Arlington; uma mulher de 40 anos, um homem de 60 anos, uma mulher de 70 anos, um homem de 80 anos, uma mulher de 90 anos, uma mulher de 80 anos e um homem de 70 anos, todos de Fort Worth. Todos tinham condições de saúde subjacentes.

O número de mortes relatadas na sexta-feira é um recorde de um dia para o município.

A adição dos casos mais recentes eleva o número total de infecções no condado de Tarrant para 28.410 desde o início dos testes em março. A média de 7 dias do condado até sexta-feira é de 550 casos por dia, um aumento em relação ao início da semana, quando a média atingiu um mínimo de 516 durante uma série de quedas de quatro dias.

A média de 7 dias para os casos mantidos em 550 a partir de quinta-feira, enquanto a média de 14 dias aumentou pelo segundo dia consecutivo. Na quarta-feira, a média de 14 dias caiu para 520, antes de subir para 528 na quinta-feira e 536 na sexta-feira.

O município também registrou 749 recuperações na sexta-feira, elevando o número total de sobreviventes para 14.397. Atualmente, estima-se 13.632 casos ativos no município.

Na sexta-feira, o município registrou 591 hospitalizações COVID-19, 51 a menos que no dia anterior.

Dos casos do condado, 69% dos que morreram tinham mais de 65 anos. Aqueles entre 25 e 44 anos representam a maior porcentagem de pessoas com COVID-19, com 39%.